sábado, 30 de março de 2013

Exumando a História


Saudações Monárquicas!

Desde parte do ano passado, este Blog ficou com as postagens mensais. Entretanto, no mês de fevereiro, a postagem não foi possível. Espero que isso não volte a acontecer.

No início deste ano, tivemos uma boa notícia! Após 180 anos, o corpo do nosso primeiro Imperador, D. Pedro I, foi exumado para estudos e análises. Não só ele, mas os restos mortais de suas duas esposas também (D. Leopoldina e D. Amélia). O projeto faz parte de uma pesquisa de mestrado da historiadora e arqueóloga Valdirene do Carmo Ambiel. Com autorização da Família Imperial, e sempre sob sua supervisão, Valdirene fez seus estudos e contribuiu com a História do nosso país.

Alguns mitos propagados pela historiografia foram quebrados com os estudos dos restos mortais pela Faculdade de Medicina da USP. Os estudos e análises foram feitos entre os meses de fevereiro e setembro de 2012, mas divulgados apenas neste ano de 2013.

Vejamos alguns fatos que a pesquisa ajudou a esclarecer:

1 - D. Pedro I não foi cremado.

Era comum que se dissesse que o corpo de D. Pedro I teria sido cremado em Portugal. Havia, inclusive, quem duvidasse que em sua cripta estivesse algum resto mortal do Imperador. A informação está, inclusive, escrita no texto exposto no interior do Monumento  à Independência, no Ipiranga.

2 - D. Pedro I foi enterrado como general português.

Sabemos que o nosso primeiro Imperador era português. Veio para o Brasil quando criança com a Família Real Portuguesa em 1808. Entretanto, sabemos que D. Pedro adotou a "nacionalidade" tupiniquim. Lutou contra seu próprio país para tornar o Brasil livre, e assegurou a extensão territorial do Império Brasileiro. Ao abdicar do trono em favor de seu filho, D. Pedro de Alcântara, voltou à Portugal, derrotou seu irmão D. Miguel e ficou com o trono que lhe era de direito, tornando-se D. Pedro IV, de Portugal. Ao ser enterrado, não houve menção à sua época de Imperador do Brasil.

3 - D. Pedro I era mais baixo que o imaginado e aventureiro.

D. Pedro tinha entre 1.66 e 1.73. Portanto, não era tão alto. Sua ossada apresentava quatro costelas do lado esquerdo quebradas. Provavelmente de uma queda de cavalo. Isso pode ter agravado a tuberculose que o matou em 1834, ainda com 36 anos.

4 - D. Pedro I teria matado a própria esposa.

Um dos mitos criados e propagados, foi o de que a morte de D. Leopoldina (1ª esposa de D. Pedro I e mãe de D. Pedro II) teria sido ocasionada pelos maus tratos do marido. É fato que D. Pedro era irascível, mas muitos consideravam exagero tal hipótese. Acreditava-se que a mulher por trás da Independência do Brasil tinha um fêmur quebrado, devido à uma queda de escada ao ser empurrada pelo marido. História desmentida. D. Leopoldina não tinha tal fratura e, provavelmente, morreu devido às complicações do parto. D. Leopoldina foi enterrada com as roupas com que foi coroada Imperatriz do Brasil, em 1822.

5 -  D. Amélia foi mumificada.

Esta parte da história não consegui compreender muito bem. Não entendi se a tal mumificação foi intencional na época de sua morte, ou, como alguns amigos meus entenderam, que os diversos produtos que passaram nela, preservaram seu corpo. Unhas, cílios, cabelos... tudo isso estava em ótimo estado de conservação, tendo em vista que D. Amélia morreu há mais de 135 anos.

É importante que estudos desse tipo sejam frequentes. A única forma de desmistificar as barbaridades que se contam sobre o Império, é através do estudo sério e livre das amarras ideológicas republicanas.
Abaixo segue um vídeo e um link. O vídeo é da reportagem com a historiadora Valdirene. O link leva ao especial do Estadão sobre o assunto. Vale a pena conferir!


Link do especial do Estadão:


 

2 comentários:

  1. Protestos na Espanha pedem a queda da Monarquia, salvo interpretação errada de minha parte.
    Enfim, os motivos seriam a fanfarronice do rei, fazendo viagens luxuosas, caçadas, enquanto a Espanha e Europa em geral vivem uma enorme crise.
    A pergunta que fica é: qual a solução num caso desses? Ao invés de derrubar a monarquia, não seria possível trocar o monarca?
    Precisamos saber responder aos que nos cutucarem dizendo "viu como a monarquia não presta", etc...

    ResponderExcluir
  2. Caro Anônimo,

    protestos na Inglaterra pedem o fim da monarquia (com dezenas de pessoas apenas), protestos no Brasil pedem o fim da república (infelizmente com dezenas de pessoas), protestos na Espanha pedem o fim da monarquia... é natural fazer protestos. Mas vamos aos fatos...

    Sem dúvida que o rei cometeu uma gafe em relação às caçadas. Mas, por exemplo, em relação ao seu genro, envolvido em caso de corrupção na Espanha, ele foi logo à mídia para declarar apoio total à Justiça. Dizendo que ela deve julgar a todos sem nenhuma diferença. Além disso, abriu as contas da monarquia para consulta popular, para mostrar que eles não tinham nada a ver com a história.

    A própria princesa, esposa do acusado, foi chamada pela justiça para dar esclarecimentos. Estão disponíveis à justiça de seu país, e o rei, agiu de forma digna elevando, inclusive, o prestígio da Família por lá.

    Quando alguém disser: "viu como a monarquia não presta", em relação a casos de corrupção. Peça exemplos... eles não possuem. Não conheço reis de monarquias parlamentares corruptos. Diga que para cada rei que ele disser, você diz 10 presidentes brasileiros. :)

    ResponderExcluir